Lembra aquele dia em que queremos apenas uma corridinha?

“Naquele dia, sem nenhum motivo, decidi dar uma corridinha” (Forest Gump)

Essa fantástica cena do excelente filme Forest Gump, me lembrou aqueles dias em que eu estava meio cansado e decidi sair, mas apenas para caminhar.

Aí então em um belo dia, sem nenhum motivo, decidi fazer uma caminhada. Corri até o fim do quarteirão, e quando cheguei lá resolvi completar 1K. E quando cheguei lá, resolvi que conseguiria fazer 2K. E já que tinha ido até lá resolvi completar os 3K correndo. E foi o que eu fiz. Corri até conseguir atingir 5K. Sem nenhum motivo, e segui em frente. Corri até fazer 6K. E quando cheguei lá, já que tinha ido tão longe achei melhor continuar. E ao chegar no oitavo KM, já que tinha ido tão longe resolvi dar meia volta e tentar os 10K.

Nessa longa jornada da corrida, você descobre que aquilo faz sentido, então você arruma companhia. Depois vai chegando mais gente e isso, dá esperança para as pessoas.

E então no final você finalmente diz: eu estou um pouco cansado, vou pra casa agora.

corrida-correr-revista

Clique aqui
assista a
cena do filme

 

Leia abaixo o texto original

Naquele dia, sem nenhum motivo, decidi dar uma corridinha. Corri até o fim da estrada, e quando cheguei lá resolvi atravessar a cidade. E quando cheguei lá, resolvi atravessar o condado de Greenbow. E já que tinha ido até lá resolvi atravessar o Estado do Alabama correndo. E foi o que eu fiz. Corri até sair do Alabama. Sem nenhum motivo, e segui em frente. Corri até chegar no oceano. E quando cheguei lá, já que tinha ido tão longe resolvi voltar e continuar. E ao chegar no outro oceano, já que tinha ido tão longe resolvi dar meia volta e continuar correndo. Quando eu ficava cansado, dormia. Quando tinha fome, comia e quando precisava ir… Bom, sabe… eu ia.

Eu pensava muito na mamãe, no Bubba, no Tenente Dan, mas eu pensava muito mais na Jenny. Eu pensava muito nela. Eles não acreditavam que alguém corresse tanto sem motivo.

– Por que está fazendo isso?

– Tive vontade de correr.

Por alguma razão, aquilo fazia sentido para algumas pessoas. (…) eu arrumei companhia. Depois, arrumei mais companhia, depois chegou mais gente ainda. Disseram que eu dava esperança às pessoas. Bom, não entendo nada disso, mas algumas daquelas pessoas me pediam ajuda. Mas, como eu ia dizendo, eu tinha muita companhia. Mamãe sempre dizia que a gente deve por o passado para trás antes de continuar em frente. Acho que foi por isso que corri tanto. Eu corri por 3 anos, 2 meses, 14 dias e 16 horas.

– Eu estou um pouco cansado. Acho que vou para casa agora.